Entenda como o uso da chupeta impacta os dentes das crianças

impacto da chupeta em crianças

A presença de um bebê no conforto do lar pode ser a realização de um sonho, desde que esteja com a chupeta na boca para acalentar, mesmo que de forma momentânea.

Contudo, esse acessório é pauta de discussão frequente entre mães e pais, assim como é tema em palestras de profissionais da área da saúde e da odontologia. 

Entre prós e contras, vale sempre conversar com especialistas da área da pediatria e, principalmente, com os dentistas, que muitas vezes divergem sobre oferecer esse acessório ou evitar ao máximo.

A verdade é que o movimento de sucção que o bebê faz enquanto chupa uma chupeta pode ser relaxante, pois reproduz a mesma ação praticada quando está se alimentando no seio da mãe. 

Segundo especialistas, durante os primeiros meses não há preocupação quanto à formação dentária, pois o desenvolvimento dos bebês, e mesmo a estrutura óssea, ainda está se ajustando.

O problema ocorre a partir do primeiro ano, quando os primeiros dentes de leite já estão instalados na arcada dentária superior e inferior.

Inclusive, mesmo as chupetas anatômicas podem oferecer riscos para a formação ao longo do tempo, tornando necessário o uso de um aparelho invisível dentário na fase da adolescência.

Além disso, controlar o uso de chupeta pode ser um problema para os pais e mães, ocasionando o surgimento de doenças como:

  • Inflamações na gengiva;
  • Infecções bucais;
  • Problemas dentais;
  • Atraso da fala.

Até mesmo a amamentação pode ser prejudicada, assim como o processo de alimentação da papinha, e depois de comidas sólidas. 

Isso porque a mandíbula, os ossos da face e o palato podem ficar deformados se a chupeta não for adequada e o uso for contínuo até uma idade avançada.

 

Dentes escuros e queda precipitada

A composição de uma chupeta é de peças formadas por plástico e um bico de borracha que pode ter diferentes formatos.

As anatômicas são as mais indicadas, quando esse tipo de acessório faz parte da infância de uma criança. Contudo, mesmo elas podem interferir no desenvolvimento dos pequenos.

Quando usada, a higienização da chupeta deve ser realizada periodicamente, pois os restos que se instalam na base do bico podem concentrar vírus e bactérias, prejudicando a saúde da criança.

Inclusive, a longo prazo, os dentes podem ficar escuros ou ter uma queda precipitada, impedindo o crescimento natural dos dentes permanentes e impactando no alinhamento e devida formação ósseo-facial.

Apesar de ser um tratamento muito procurado por pacientes adultos e muito indicado para alguns quadros, o clareamento dental não pode ser aplicado em uma criança em fase de crescimento. 

Esse é um procedimento que não se encaixa na odontopediatria e só pode ser realizado após os 16 anos. 

Isso porque os dentes escuros podem ser sinal de cárie e, por isso, é preciso procurar o foco principal da causa, que pode ser a chupeta ou a alimentação rica em açúcar. 

A falta de higiene, com escovação regular, também pode ser um problema que precisa ser observado pelos pais.

 

Quanto antes tirar a chupeta melhor

Caso a chupeta faça parte da rotina de uma criança, é preciso impor alguns limites para que a saúde bucal não seja prejudicada. 

O período antes de dormir pode ser um momento em que a chupeta pode ser indispensável, principalmente porque é um método usado como suporte no processo de trazer mais tranquilidade aos pequenos. Contudo, esse hábito precisa ser retirado aos poucos.

Se algum dente de leite cair de forma prematura por causa da chupeta, as estruturas bucais como um todo podem ser impactadas, demandando intervenções para preservar os espaçamentos para a dentição permanente e sua qualidade.

Assim, é possível ajustar, de certo modo, o direcionamento dos dentes permanentes, o que pode ser feito por meio de aparelhos a partir dos 6 anos de idade. 

Contudo, se conseguir tirar a chupeta antes dessa idade, melhor para o crescimento natural da dentição e desenvolvimento da criança, não só ósseo-facial como até aspectos sociais.

 

Correção na fase adolescente é necessário

Quando chega a adolescência, o corpo humano ainda está em desenvolvimento, mas a arcada dentária, a mandíbula e a boca podem estar estruturadas e até deformadas por causa da chupeta. 

Por isso, o uso de um aparelho dental invisível pode ser necessário, ou outros modelos que devem ser definidos conforme a avaliação de um dentista, para a devida correção da mordida – o que também impactará na fala e até na respiração. 

 

Acessórios ajudam na substituição da chupeta

As brincadeiras lúdicas, em que é possível ensinar as crianças as tarefas da rotina, como cuidar dos dentes e fazer a limpeza após as refeições, podem ser aplicadas no momento em que é preciso retirar a chupeta.

Apresentar brinquedos e acessórios que servem como distração infantil permite que a chupeta fique de escanteio, conferindo confiança aos pequenos e auxiliando na identificação do que sustenta a necessidade de uso, substituindo. 

Mostrar que há alimentos que podem ser consumidos e que ainda ajudam no crescimento é essencial e expande o cardápio com uma variedade de produtos como vegetais e frutas.

Exemplos são importantes e, mesmo que de forma lúdica, pode ser necessário mostrar que pode ser preciso recorrer a procedimentos diversos se a chupeta continuar na boca por muito tempo.

Contudo, é preciso ter cautela ao fazer isso, pois é importante que a criança vá entendendo a necessidade de abandono da chupeta, mas sem gerar medo sobre procedimentos como o  implante dentário ou mesmo o receio da visita ao odontologista, que pode ser entendida como um castigo.

Assim, o estímulo pode ser apresentado por meio de desenhos animados, personagens de filmes infantis ou mesmo durante as brincadeiras com bonecos e outros brinquedos disponíveis em lojas especializadas. 

Tudo para que a chupeta seja esquecida e substituída por opções mais saudáveis e que não interferiram na saúde bucal e formação dos pequenos.

Isso possibilitará, inclusive, até que no futuro os procedimentos sejam realizados para a manutenção da arcada e até a melhora da estética do sorriso, como a lente de contato dental, mas sem que haja receios ou para corrigir imperfeições originadas na infância, conferindo ainda mais saúde e bem-estar aos pacientes.

Conteúdo originalmente desenvolvido pela equipe do blog Lógica de Mercado, uma rede de conteúdos para alavancar negócios e proporcionar mais qualidade de vida e saúde.

Compartilhe!